09/06/2019 às 13h46min - Atualizada em 09/06/2019 às 13h46min

Cavalgada de Araguaína mostra que ainda falta consciência aos animais racionais

Alberto Rocha - Alberto Rocha


 
Não sou de ir, mas fui a um dos maiores eventos do segmento do campo, que é a cavalgada de Araguaína, considerada como a maior do mundo. Gostei de algumas coisas, de outras não.
 
Das coisas que gosteia)  A cavalgada deste ano pareceu mais organizada, menos bagunça, menos bêbados  desenfreados que, montados, costumam jogar os animais em cima do público que assiste ao show de pé e debaixo do sol quente;  b) A participação popular ao longo do trajeto do evento, numa demonstração de que a cavalgada é um dos orgulhos da cidade.
 
Das coisas que não gostei: a) Não adiantou o aviso de que a lei seria cumprida. Por todo o trajeto, carros de som automotivo abusavam do volume do som; alguns deles em cima da calçada e ninguém para incomodar os donos dos veículos, pelo menos na João de Sousa Lima; b) o sofrimento dos animais. Uma minoria sem consciência ainda insiste em usar espora e chicote para maltratar os animais, que já sofrem com o forte calor e falta de comida durante a cavalgada; c) Num evento dessa proporção, com tantos  animais racionais e irracionais, é quase impossível não deixar pelas ruas um rastro de sujeira; d) políticos de fora que só aparecem em Araguaína em época de eleição ou de grandes eventos, dizendo ainda que são da cidade.
 
A maior cavalgada do mundo  mostrou que os animais racionais (os seres humanos) são especialistas em quebrar regras e programados para a desobediência. Enquanto os humanos bebem, curtem, se divertem, os outros animais, os irracionais (boi, cavalo, mula, égua)  sofrem com o forte calor, apanham de chicote e ainda levam esporada nos lombos.
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento