22/11/2019 às 08h21min - Atualizada em 22/11/2019 às 08h21min

Câmara realiza sessão em homenagem ao Dia da Consciência Negra


Presidente da Câmara, Gipão, ao lado de participantes do movimento consciência negra

 
A Câmara Municipal de Araguaína realizou uma sessão solene em homenagem ao Dia da Consciência Negra, em atendimento ao requerimento da vereadora Silvinia Pires (PT), que iniciou sua participação recitando o poema “Me gritaram, Negra!”
 
A vereadora também destacou que a data foi escolhida por coincidir com o dia da morte, em 1695, de "Zumbi dos Palmares", um dos grandes nomes da resistência negra e que tombou na luta contra a escravidão.
 
A falta de proteção social, a violência e opressão feminina por práticas machistas foram alguns dos  temas abordados durante a sessão presidida pelo presidente da casa vereador Aldair Costa (Gipão).
 
Robenilson Moura, professor de Psicologia da Faculdade Católica Dom Orione ( FACDO), chamou a atenção dos presentes para a discriminação racial e seus reflexos na sociedade atual,  que segundo ele, continua tão presente como no nosso passado histórico:
 
"É importante dizer que o termo "negro", foi criado pelo homem branco para fins de colonização, dominação. Então, nós não tínhamos isso. Quando viemos da Africa, nós nos identificávamos, nos reconhecíamos como povos étnicos, não existia diferença entre raça, cor. Essa ideia de que as pessoas brancas são superiores às negras ainda permanece".
 
Brasil tem a maior população de origem africana fora da África e, por isso, a cultura desse continente exerce grande influência, que consequentemente  se manifesta de forma mais intensa na música, religião e culinária.
 
Telma Barbosa, presidente da Assossiação Negra Cor, destacou que conhecer a origem do povo negro, entender sua influência, se identificar com a sua ancestralidade e ter uma referência  é um dos principais  objetivos a serem alcançados:
 
"Se identificar como negro, é você respeitar a sua herança familiar; sua herança genética; sua origem. E esta é uma busca que nós brasileiros temos, e que nós precisamos."
 
A solenidade também contou com a participação especial do grupo de dança cultural “LINDÔ” da Comunidade Quilombola de Cocalinho, localizada no Município de Santa Fé.
 
O grupo se apresentou com  danças e músicas semelhantes às brincadeiras de roda e às tradicionais quadrilhas. Onde os participantes dançam aos pares entrelaçam os braços e pulam trocando de par e respondendo o refrão das cantigas, como se estivessem improvisando os versos.
(assessoria).

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento