15/10/2019 às 08h41min - Atualizada em 15/10/2019 às 08h41min

O Brasil tem mais de 50 santos e ganha mais um; mas o País vai continuar mergulhado na crise moral, na miséria e na corrupção

Alberto Rocha - Alberto Rocha

irmã Dulce


Artigo de opinião -Alberto Rocha
 
O Brasil tem mais de 50 santos e acaba de ganhar mais um, o único genuinamente brasileiro: a irmã Dulce, uma baiana, a “protetora dos pobres do Brasil”.
 
Mas é bom lembrar que  santo de casa não faz milagre. A santa Dulce não vai baixar o preço do acarajé, nem do arroz tampouco do feijão.  Também, não vai tirar o Lula da cadeia nem o Bolsonaro do poder. Tudo vai continuar do mesmo jeito.
 
Num País mergulhado em crise ética e moral, parece que o Divino resolveu levantar a tampa do esgoto e só agora  passamos a ver os ratos. O pior é que conhecemos as ratazanas e sabemos os seus nomes e os guetos onde vivem.
 
O Brasil precisa, na prática, é resolver questões como a miséria, as desigualdades e a corrupção, que tomou conta da política, do judiciário  e da própria religião. O Brasil precisa é de reflexão com racionalidade, pois sem reflexão seremos sempre escravos dos poderosos.
 
Que o povo brasileiro se liberte do espírito de manada que aprisiona os inocentes. Que o Brasil se liberte de líderes religiosos e políticos sem escrúpulos, desonestos, os quais tiram da mesa e da boca dos necessitados o que há de mais sagrado para construírem seus impérios com a exploração de fieis e sob o manto de legalidade.
 
Que a canonização da irmã Dulce não passe de manobra do sistema religioso, que aliena  o povo e ofusca o farol da inteligência humana. Que a canonização de uma pessoa que viveu para servir aos outros não seja  apenas  uma jogada de marketing para tentar segurar fieis que batem asas para outros cantos.  Dominus tecum!

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento