01/04/2022 às 08h10min - Atualizada em 01/04/2022 às 08h10min

Cerca de 400 metros de redes de pesca foram apreendidos durante ação do Naturatins na região do Cantão


Foto: Divulgação
 
Durante sete dias, entre 22 a 28 de março, o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) realizou uma operação de fiscalização para coibir a pesca predatória, o transporte e o comércio ilegal de pescado. Os alvos da operação foram os rios Caiapó, Coco e Araguaia, bem como os lagos e as pequenas ilhas formados por esses cursos d’água e, ainda, as fozes de seus afluentes. Cerca de 400 metros de redes de pesca foram apreendidos durante a ação.
 
A operação foi realizada por agentes do polo do Naturatins em Palmas, com apoio do escritório regional de Araguacema e da sede do Parque Estadual do Cantão (PEC), onde foram estabelecidas duas bases operacionais, o que permitiu as equipes ampliarem a área fiscalizada, que compreendeu os municípios de Araguacema, Caseara e seus entornos.
 
No período da operação, que teve também caráter educativo, os agentes de fiscalização fizeram diversas abordagens a pescadores profissionais e ribeirinhos. Nessas abordagens, são solicitados os documentos do pescador para saber se está devidamente licenciado. Também são feitos esclarecimentos sobre a Portaria Interministerial n° 12, que versa sobre as restrições da pesca na bacia do rio Araguaia.
 
De acordo com o fiscal do Naturatins, Jusley Caetano, que comandou a operação, as restrições quanto ao transporte de pescado em território tocantinense também fazem parte do escopo das orientações repassadas para ribeirinhos e pescadores. “Dentro dos objetivos da operação, também foram realizadas blitz e vistorias em estabelecimentos comerciais, como forma de coibir o comércio ilegal de pescado”, pontuou.
 
Mudança nas regras 
 
Publicadas na última terça-feira, 29, no Diário Oficial do Estado (DOE), as portarias do Naturatins nº 53/2022 e nº 54/2022 alteram as normas para transporte de pescado no território tocantinense e da proibição de captura, transporte e comercialização de peixes, respectivamente. 
 
A estocagem para consumo no local da pesca, antes limitada a 5 kg por pescador, agora é de apenas 3 kg. Já a cota zero deixa de valer e o pescador pode levar para casa um único exemplar, desde que seja de uma espécie cuja pesca é permitida e que esteja com os tamanhos mínimo e máximo estabelecidos. Tanto para pescar quanto para transportar, o pescador precisa estar devidamente licenciado, com sua carteira de pesca atualizada. (Governo do Tocantins).

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento