05/07/2021 às 08h39min - Atualizada em 05/07/2021 às 08h39min

Operação investiga fraude em exames toxicológicos para emissão de carteiras de motorista no Tocantins


Foto: Divulgação
 
Uma operação para combater supostas fraudes em exames toxicológicos para motoristas foi iniciada na manhã desta segunda-feira (5). São 19 mandados de busca sendo cumpridos em Palmas e São Paulo (SP). A ação é realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual e pela Polícia Civil. A suspeita é de que o grupo criminoso fazia testes falsos para encobrir o uso de drogas por caminhoneiros na hora de emitir a carteira de habilitação.

Os mandados estão sendo cumpridos em quatro autoescolas de Palmas e Aparecida do Rio Negro, nos endereços dos donos destes centros de formação e também em dois laboratórios, na capital e em São Paulo (SP).

Os exames toxicológicos são exigidos para obtenção de carteira nacional de habilitação nas categorias C, D, E. O teste identifica a presença de substancias psicoativas no organismo, como as drogas usadas por alguns caminheiros para conseguir dirigir de forma ininterrupta, e pode detectar o que foi consumido pela pessoa nos últimos 90 dias.

De acordo com a investigação, um laboratório em Palmas recebia amostras falsas e livres de drogas para beneficiar os motoristas. As amostras eram coletadas em cidades do interior do Tocantins por uma funcionária.

A mulher supostamente atuava em conjunto com os donos de autoescola. Os investigadores identificaram que esses centros de formação até pagavam hotel para caravanas de motoristas de outros estados que vinham fazer a habilitação no Tocantins com o exame toxicológico fraudado.

O valor de um exame desse tipo é em torno de R$ 150, mas nesse esquema o preço subia para R$ 600. A suspeita é de que o serviço era contratado por motoristas que geralmente usam rebite e drogas ilícitas nas rodovias.
(G1 Tocantins).

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento