07/10/2020 às 07h53min - Atualizada em 07/10/2020 às 07h53min

Pandemia interfere no calendário eleitoral brasileiro e provoca dúvidas entre eleitores


Foto: Divulação/Tec Mundo
 
A pandemia mudou a data das eleições. O primeiro turno está marcado para 15 de novembro. E onde houver segundo turno, 29 de novembro.

Em 2020, a votação começa uma hora antes: vai das sete da manhã às cinco da tarde no horário local. Das sete às dez da manhã, a preferência é para os idosos.

A Justiça Eleitoral reforçou o treinamento dos mesários. Serão cerca de dois milhões em todo o país, como o Alex Ribeiro e a Andréia Kyacek.

“Foi feito todo um trabalho de equipe, com pessoas capacitadas, então eu digo para o eleitor é que ele venha votar, que ele se sinta seguro assim como a gente que está ali do outro lado da mesa, a gente está se sentindo seguro”, diz Andréia.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luis Roberto Barroso, explica que a votação será diferente por causa da Covid.

“Nós suprimimos a biometria porque ela retardava um pouco o processo de votação. Nós tomamos medidas de cuidados com os mesários, tomamos medidas para evitar filas e aglomerações e tomamos medidas para a proteção do eleitor”, explica Barroso.

Dentro da seção eleitoral muita coisa mudou a começar pelo distanciamento. É preciso manter um metro de distância de todos os mesários que estão trabalhando na eleição. E agora você não entrega mais o seu documento para o mesário, você só apresenta. Outro mesário confere os dados. Se houver alguma dificuldade no reconhecimento, o eleitor precisa dar dois passos para trás e fazer a validação da identidade. Tem que tirar a máscara para que ele compare o rosto à foto da identidade.

"É o único momento em que você vai precisar tirar a sua máscara com segurança, vai haver um distanciamento entre você e o mesário", explica Andréia.

Se possível, leve uma caneta de casa para assinar o caderno de votação.

Todas as seções eleitorais vão ter álcool gel para usar antes de entrar na cabine e depois.

Outro pedido é não levar acompanhantes, como filhos pequenos.

“Eu acho que vale a pena esse esforço para poder cumprir esse dever cívico que a gente tem”, diz Alex.

“O eleitor pode comparecer para votar no dia 15 de novembro com a certeza de que todas as medidas de segurança que razoavelmente poderiam ter sido tomadas efetivamente foram, com base na melhor consultoria médica disponível no país”, diz Barroso.
(G1 Globo).

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento