20/06/2020 às 07h50min - Atualizada em 20/06/2020 às 07h50min

Violência doméstica, sexual, tentativa de feminicídio e cárcere privado: as mais registradas


Foto: Divulgação 
 
Em 2019, a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, registrou 85.412 denúncias de violências contra a mulher. Esses dados revelam mais que números, indicam um comportamento estrutural quando nos referimos a esse gênero estigmatizado historicamente. Diariamente mulheres sofrem violências das mais diversas e a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) em favor dessa causa vem fomentar políticas de enfrentamento e prevenção a essas violações, levando informações e apontando caminhos para a denúncia.

As violências

De acordo com o Balanço 2019 da Central de Atendimento à Mulher, Ligue 180, os principais tipos de violências registradas pelo canal, foram: violência doméstica, violência sexual, tentativa de feminicídio e cárcere privado.

Perfil das vítimas

O Balanço 2019 da Central de Atendimento à Mulher, Ligue 180, apresentou que as mulheres entre 25 e 35 anos foram as que mais sofreram violência doméstica (20.479), seguido pelas faixas etárias de 36 a 45 anos (16.165) e 15 a 24 anos de idade (11.426).

Onde procurar ajuda

Central de Atendimento à Mulher: Ligue 180

Defensoria Pública do Tocantins: Araguaína e região: 3411-7418
Gurupi: 3315-3409 e 99241-7684;  Palmas: 3218-1615 e 3218-6771
Porto Nacional: 3363-8626; Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher: Araguaína: 3411-7310/ 3411-7337; Palmas Centro: 3218-6878 / 3218-683; Palmas Taquaralto: 3218-2404. 

Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e Vulneráveis: Arraias: 3653-1905, Colinas: 3476-1738/ 3476-3051, Dianópolis: 3362-2480, Guaraí: 3464-2536, Gurupi: 3312-7270/ 3312-2291, Miracema: 3366-3171/ 3366-1786, Paraíso: 3361-2277/ 3361-2744, Porto Nacional: 3363-4509/ 3363-1682, Disque Direitos Humanos: 100, Ministério Público do Estado do Tocantins: 0800 – 646 – 5055, Política Militar: 190 e Site do Ministério dos Direitos Humanos: ouvidoria.mdh.gov.br ( informações da secom).



 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco pelo Whatsapp
Atendimento